Inspeção automóvel tem novas regras. 4 passos para ficar a saber o essencial

iStock 136591861
Inspeção automóvel com novas regras.

Desde o dia 1 de novembro que as regras para a inspeção automóvel se alteraram. Maior exigência e mais os aspetos em avaliação é o que pode esperar. Fique a saber o que há de novo e evite surpresas desagradáveis.

As regras para a inspeção automóvel sofreram alterações, que entraram em vigor no dia 1 de novembro. Procuram uniformizar as inspeções técnicas a veículos automóveis nos Estados-membros da União Europeia. Em 4 passos explicamos-lhe o essencial:

1. Novos aspetos avaliados

Foram introduzidos novos aspetos a avaliar – designados por “deficiências”. Tratam-se de falhas que passarão a ser identificadas na inspeção automóvel.

O combate à fraude de manipulação dos conta-quilómetros de veículos usados é uma destas deficiências, sendo mesmo a principal frente de batalha. Esta nova deficiência significa que, entre inspeções, o número de quilómetros do automóvel será fiscalizado para impedir este tipo de crime.

Outra deficiência introduzida diz respeito às operações de recolha de viaturas às oficinas das marcas – quando são detetados defeitos ou anomalias para que seja feita a reparação. Ou seja pretende-se verificar se os veículos inspecionados estão na lista dos modelos indicados para recolha de viatura e, se for o caso, se o veículo em questão foi selecionado.

2. Carro sujo? Cuidado…

Sim: um carro sujo pode dar direito a chumbo: “Sempre que as condições de limpeza prejudiquem as observações durante a inspeção, o veículo deve ser reprovado e o inspetor deve descrever na ficha de inspeção a não realização dos ensaios e verificações correspondentes à inspeção por não existirem condições de limpeza”, pode ler-se no texto publicado no Diário da República.

3. Outros detalhes relevantes

Além das mudanças já referidas, há outras alterações de pormenor a ter em atenção:
• Descrição mais específica e detalhada das deficiências encontradas para que sejam comparáveis entre inspeções mesmo que realizadas por diferentes inspetores, e para que os proprietários dos veículos inspecionados as compreendam perfeitamente;
• Introdução de anexo específico (Anexo X) para deficiências relacionadas com veículos híbridos e elétricos;
• Introdução de deficiências específicas de veículos de transporte de crianças e de transporte de deficientes, como o estado de conservação, fixação, sistema de aquecimento e ventilação, piso e degraus danificados, etc. (Anexo IX);
• Introdução de deficiências relacionadas com sistemas EPS (Direção Assistida Eletrónica), EBS (Sistema de Travagem Eletrónico) e ESC (Controlo Eletrónico de Estabilidade);
• Definição de novos valores máximos de opacidade dos gases de escape de acordo com a diretiva.

4. Mais transparência

Para evitar dúvidas e visando a maior transparência possível, a Deliberação n.º 723/2020 detalha em vários quadros anexos os diferentes procedimentos a adotar nas inspeções periódicas aos veículos, bem como a respetiva classificação de deficiências.

Entre os vários procedimentos aprovados na inspeção de veículos, encontra-se a possibilidade de remoção de “elementos desmontáveis como tapetes, tampas, coberturas, painéis ou outros” e a possibilidade de “o inspetor circular com o veículo dentro do respetivo centro de inspeção”.

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recomendados
10 JAN VENDAS 2018 SLIDER
Saber Mais

Comprar ou alugar carro?

Seja um particular ou uma empresa, quem procura um carro novo sabe que tem nas mãos uma decisão…