Exportações de componentes refletem Covid-19

EXPORTAÇÕES NACIONAIS COMPONENTES COVID19

As exportações nacionais de componentes automóveis caíram 25,4% em março, numa comparação com o mesmo mês de 2019. Os dados são da Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA) e mostram os efeitos colaterais do Covid-19 em toda a cadeia de valor associada à indústria automóvel.

Desde maio de 2009 que não se registava uma queda tão acentuada nas exportações portuguesas de componentes para a indústria automóvel. “Na segunda metade de março as empresas começaram a sentir o abrandamento geral da atividade, com o encerramento temporário das fábricas de automóveis e consequente cancelamento de encomendas”, confirmou a Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA).

No acumulado de janeiro a março as exportações caíram para 2500 milhões de euros, o que representa uma descida de 3,5% face ao primeiro trimestre de 2019. Por países de destino das exportações, Espanha ocupa a primeira posição com vendas de 725 milhões de euros (+3,8% face a janeiro-março de 2019), seguida da Alemanha com 493 milhões de euros (-7,1%) e em terceiro lugar surge a França com um registo de 325 milhões de euros (-14,5%). As exportações para o Reino Unido totalizaram 210 milhões de euros (-9,8%). No total, estes quatro países concentram 70% das exportações nacionais de componentes automóveis.

Importa salientar que os componentes automóveis, neste período de janeiro a março, representam 17,1% das exportações de bens transacionáveis. Ou seja, por cada 100 euros que Portugal exporta de bens, 17,10 euros referem-se a componentes automóveis.

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recomendados
10 JAN VENDAS 2018 SLIDER
Saber Mais

Comprar ou alugar carro?

Seja um particular ou uma empresa, quem procura um carro novo sabe que tem nas mãos uma decisão…